facebook.png

Primavera Literária

Primavera Literária

Apostando na bibliodiversidade, uma das maiores e mais bem sucedidas iniciativas em favor do livro e da leitura do país, a Primavera Literária reúne 39 editoras independentes em sua terceira edição em Belo Horizonte. Entre os objetivos da feira estão o acesso do leitor a publicações diversificadas e o fortalecimento das empresas editoriais de pequeno e médio portes. O evento é uma ação de fomento à diversidade e parte do princípio que o livro, como bem cultural, faz parte de uma economia específica e não deve ser submetido exclusivamente às leis do mercado.

A estreia da Primavera Literária na capital mineira ocorreu em 2015, durante a primeira edição do Festival Literário Internacional de Belo Horizonte (FLI-BH). Em 2017, a Primavera Literária retoma a parceria, consolidando o encontro que deu certo. Com descontos de até 50% sobre o preço de capa e títulos menos presentes nas grandes livrarias, os leitores terão acesso a publicações de editoras com abordagens múltiplas, muitas delas com títulos que são referência, em todo o país, em áreas como educação, cultura popular, cultura afro-brasileira, história do Brasil, sociologia, livros para crianças e jovens, crítica literária, dentre outros temas.

O projeto é realizado anualmente, desde 2000, pela LIBRE – Liga Brasileira de Editoras, maior associação de editores independentes do mundo, com 132 afiliados, e acontece em formato de circuito, contemplando Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador.

Sobre a LIBRE

A Liga Brasileira de Editoras é uma rede de editoras independentes, que trabalham cooperativamente pelo fortalecimento de seus negócios, do mercado editorial e da bibliodiversidade. É uma associação de interesse público, sem fins lucrativos e filiação político-partidária, livre e independente de órgãos públicos e governamentais. Foi constituída em 01 de agosto de 2002, com duração indeterminada e é a entidade máxima de representação das editoras independentes de todo o Brasil. Tem por missão preservar a bibliodiversidade no mercado editorial brasileiro por meio do fortalecimento do negócio da edição independente e constitui-se como uma rede de editores colaborativos em busca de reflexão e ação para a ampliação do público leitor, do fortalecimento das empresas editoriais independentes e da criação de políticas públicas em favor do livro e da leitura.