facebook.png

Festival Literário Internacional

O Festival Literário Internacional de Belo Horizonte – FLIBH – chega à sua segunda edição com o propósito de trazer à cena a diversidade que a literatura expressa. Às vozes do texto literário somam-se as vozes das ruas, dos saraus, da academia e a voz do público leitor.  

Durante quatro dias, essas vozes estarão ecoando em oficinas, saraus, recitais, leituras, debates e lançamento de livros. A ideia é romper com as divisões entre centro e periferia, entre guetos, grupos e classes sociais, entre o tradicional e o novo, e nos apossarmos da força que vem de diferentes territórios, com a variedade de culturas, de gêneros, de opções de expressão.

“Vozes de todos os cantos” tematiza o nosso empenho de fazer falar o que está nos recantos da nossa cidade, do país e de outros lugares. Vozes que, pela escrita e pelo canto, imprimem seu timbre nos mais diversos materiais, dos livros aos muros, e anunciam, ao mesmo tempo, formas de transformação e de resistência cultural.

Das atividades humanas, a arte é a que mais nos lembra que precisamos de emoção para prosseguir. A literatura ocupa aqui um lugar especial por ser capaz de acolher toda a diversidade, emprestar voz aos que não podem falar, falar de igual para igual com aqueles que querem silenciar o outro. Ela possibilita a troca de experiências, o diálogo entre os saberes, a reflexão sobre as conquistas e perdas individuais e coletivas.

Em sua primeira edição, o FLIBH homenageou o poeta Carlos Drummond de Andrade. A homenageada desta edição, a poeta Laís Corrêa de Araújo, disse em seus versos que “se houver vida antes da morte/ será preciso semear e irrigar corações”. Buscamos nos vários significados da palavra “canto” o tema deste festival. Um dia feliz é o dia em que deixamos nosso canto para ir a um encontro, motivados a cantar.

A curadoria,

Francisco de Morais Mendes e Adriane Garcia

fli_ilustra_2017_baixa.jpg